Jorge Moll mostra, em pesquisa inédita, os benefícios do voluntariado para quem o pratica

Resultado de imagem para voluntariado

O trabalho voluntário, além de fazer muito bem ao próximo, parece que faz um bem ainda maior a quem o pratica.

Jorge Moll Neto, médico e neurocientista, é quem mostra esse dado a partir de experimentos de mapeamento cerebral através de ressonância magnética realizados em pessoas que fizeram alguma doação para instituições de caridade.

O estudo mostrou que os “centros de recompensa” dos cérebros de quem participou da pesquisa foram ativados, os mesmos que também são ativados em quem experimenta sensações de prazer, como receber um elogio, ouvir uma música e comer chocolate.

Jorge Moll Neto ainda explicou que o ato de doar ativou duas regiões do cérebro relacionadas aos sentimentos de pertencimento e de apego, chamadas de área septal e córtex subgenual. São as mesmas ativadas em uma situação de cuidado de uma mãe com um filho.

Para Jorge Moll Neto, que é o autor dessa pesquisa e também diretor-presidente do IDOR, o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, quando alguém age para um importante princípio ou para uma causa, esse sistema, responsável por promover laços de amizade e familiares, é ativado.

Estudos recentes mostram ainda que o voluntariado focado em causas sociais e o propósito de proporcionar o bem-estar das outras pessoas estão ligados ao maior tempo de vida de quem os pratica e também à redução dos riscos de depressão e de problemas cardíacos.

Jorge Moll Neto foi o primeiro neurocientista a concluir a relação entre o voluntariado e a saúde no mundo e algumas situações reais mostram que a sua tese realmente é assertiva.

É o caso de Pablo Tavares, de 31 anos, que há 5 faz um trabalho de visitas a hospitais levando atenção e carinho às crianças que estão internadas.

Ele afirma que essas ações lhe trazem muita satisfação pessoal, além de se tratarem de uma relação de troca, em que todos ganham.

Em 2013 ele criou a Trupe Miolo Mole, uma escola que leva alegria através da figura lúdica do palhaço. Para Pablo, essa é a forma como ele gostaria de ser tratado se estivesse internado.

Mais do que isso, ele acredita na importância de dar o que gostaria de receber e vê nessa ação uma forma de ele mudar pelo menos um pouco o mundo.

Pablo comenta que recebe mensagens de crianças enfatizando o quanto essa alegria as ajudaram em seus tratamentos. Para ele, isso é muito satisfatório e pretende envelhecer fazendo esse trabalho.

A psicóloga Teresa Beatriz Eder, do Hospital Caxias D’Or, ainda comenta que o ato de dar a mão a quem precisa tira o foco dos problemas de quem promove a ajuda e permite que essas pessoas enxerguem o mundo de uma forma diferente.

Jorge Moll Neto ainda complementa: “aquilo que você faz e que, ao colocar a cabeça no travesseiro, lhe faz pensar que bom que fiz isso, minha consciências está tranquila, ou isso fez bem a alguém, sinto-me uma pessoa um pouquinho melhor, provavelmente desencadeará efeitos benéficos à saúde”.

 

iPhone 8 e 8 plus é lançado em São Paulo

A sofisticação e a exclusividade que a marca Apple provoca no desejo dos consumidores ainda conseguem despertar interesse com os preços altos dos dispositivos recentemente lançados.

Considerado o mais caro do mundo, o iPhone X, ainda sem lançamento no Brasil afugenta os clientes mais ávidos pelas novidades do smartphone, mas nem todos estão assustados com os novos e exorbitantes preços praticados dos aparelhos no Brasil, como os clientes que esperavam a loja da Apple do shopping Morumbi, em São Paulo, abrir suas portas.

Não eram muitos entusiastas da marca que estavam presentes no lançamento do iPhone 8 e 8 plus. Aproximadamente 6 pessoas estiveram dispostas naquela manhã a pagar pelo menos R$ 4 mil pelo iPhone 8 e R$ 4,6 mil pelo iPhone 8 plus.

Quem estava no primeiro lugar na fila foi a comerciante Bianca Hernandes, 25, que inicialmente apenas estava interessada no Apple Watch. No dia anterior quando foi procurar pela novidade ela ficou sabendo da estreia dos novos iPhones e decidiu adquirir o novo dispositivo. O nível de qualidade da câmera para fotos e vídeos é uma das atualizações que vale o preço pago assim como a resistência à água e a poeira, afirma a consumidora.

Bianca já é cliente desde o iPhone 4, lançamento de 2010. Em sua experiência como usuária de smartphone ela relata que já tentou mudar para o sistema Android, mas que não achou o desempenho bom por causa da lentidão e voltou para o iPhone. Ela não possui outros produtos da Apple como o iPad e não tem interesse em desembolsar um valor de R$ 7 mil pelo próximo lançamento, o iPhone X, pelo alto valor do dispositivo.

No lançamento dos aparelhos o médico Carlos Takenada, 51, foi um dos novos compradores que gastou R$ 5,4 mil no iPhone 8 Plus, com 256 GB de memória, o médico afirma que o espaço para o dispositivo é um requisito por tirar muitas fotos.

A jovem publicitária de 23 anos, Marina Haj, preferiu deixar de viajar no feriado prolongado para comprar o iPhone 8. Como troca de iPhone todos os anos ela garantiu o seu lugar como uma das primeiras da fila, assim como fez o ano passado, quando a Apple lançou o iPhone 7 no país.

 

Os maiores oceanos e mares encontrados no nosso planeta

No planeta são encontrados cinco oceanos e 113 mares com dimensões e profundidades diferenciadas. Os mares e oceanos representam uma das maiores porções da superfície do planeta, sendo que mais de 70% dele é formado por água. As suas águas são muito salgadas e eles possuem dimensões continentais. Os maiores oceanos e mares do planeta são:

Oceano Pacífico – Esse é o maior oceano do planeta com 166.266.876 km² e ele ocupa áreas enormes do continente americano, Ásia e região da Austrália. Ele possui diversas ilhas de todos os tamanhos, espalhadas por toda a sua extensão.

Oceano Atlântico – Esse oceano é o segundo maior do planeta com uma área de 86.505.602 km². Ele fica próximo da Europa, da África e do continente americano. O clima desse oceano é influenciado pelos ventos, pelas águas superficiais e pelas correntes de água.

Oceano Índico – Esse é o terceiro maior oceano do mundo com 73.555.662 km², e fica no sul da Ásia. A Austrália fica no leste desse oceano, o continente africano no oeste e o continente asiático no norte. Esse oceano tem a temperatura das suas águas um pouco mais quentes do que os outros oceanos, sendo possível encontrar em suas águas diversas espécies de focas, tartarugas e baleias.

Oceano Antártico – O quarto maior oceano do mundo com 52.646.688 km², fica localizado no Hemisfério Sul, também conhecido como Antártica. As suas águas são bem geladas e como o Oceano Ártico, esse oceano ficou inexplorado por milhares de anos.

Oceano Ártico – O quinto maior oceano do planeta possui uma área de 13.208.939 km², e fica no Hemisfério Norte, em uma região conhecida como polo norte. Por ser um local muito frio, toda essa região é inexplorada e as suas águas ficam cobertas com gelo do mar, pela maior parte do ano. Esse oceano banha a Groelândia, a Eurásia e a América do Norte.

Mar das Filipinas – Esse é o maior mar do planeta com 5.179.976 km². Esse mar banha as Filipinas e Taiwan.

Mar de Coral – Esse é o segundo maior mar do mundo com 4.791.478 km², e fica próximo da Nova Zelândia e da Austrália. Esse mar possui diversos ciclones tropicais, clima quente e chuvas. É nesse mar que é encontrada a  Grande Barreira de Corais.

 

Seriam necessários 100 anos para diminuir a desigualdade de gênero no mundo

De acordo com o Relatório de Desigualdade Global de Gênero 2017 levará 100 anos para acabar de vez com a desigualdade de gênero no mundo. Depois de uma década de progresso (lento) em relação a igualdade entre homens e mulheres, o Fórum Econômico Mundial levantou dados a respeito do aumento das disparidades entre os gêneros.

O Brasil também foi citado e perdeu 11 posições em apenas um ano por conta da queda da participação das mulheres na política.

O estudo demonstra que 68% da desigualdade de gênero no mundo foi reduzida, ante 68,3% no ano de 2016 e 68,1% em 2015. São quatro pilares avaliados e todos eles se mostraram piores na comparação entre os sexos feminino e masculino. São eles: saúde e sobrevivência, acesso à educação, oportunidade econômica e participação política. Até a edição de 2016, os dois últimos quesitos estavam evoluindo.

A situação mais delicada é a do mercado de trabalho, cuja estimativa é de 217 anos para atingir a igualdade, mesmo com metade dos 144 países estudados apresentando melhora ao decorrer do último ano.

O relatório aponta que, se a disparidade de gênero no setor econômico em todo o planeta a 25% do total até 2025, teríamos um aumento de US$ 5,3 trilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) global.

Segundo nota de Klaus Schwab, presidente-executivo do Fórum Econômico Mundial: “a competitividade em níveis nacional e de negócios será decidida […] pela inovação de um país ou uma empresa. Quem vê a integração das mulheres como uma importante força do seu grupo de talentos terá mais sucesso”

O Brasil

O Brasil perdeu 11 posições no ranking se comparado o estudo do ano passado, ficando em 90º. Em relação à primeira edição ocorrida em 2006, o país perdeu 23 posições.

O retrocesso colocou o país em sua pior posição desde 2011. Apesar de avanços módicos na economia, pesou na redução a menor participação política das mulheres. Apesar do cenário, o relatório destaca que o Brasil diminuiu sensivelmente as diferenças de gênero na âmbito da educação.

O primeiro colocado no índice geral é a Islândia, que já está a frente por 9 anos seguidos e se destaca por resolver 88% da desigualdade de gênero. Noruega, Ruanda e Finlândia estão em segundo, terceiro e quarto lugar respectivamente.

 

Canadá é o destino de intercâmbio mais popular entre os brasileiros

Nos últimos meses, a rede de intercâmbio World Study realizou um extenso levantamento para descobrir quais são os destinos mais procurados pelos brasileiros que decidiram fazer cursos de especialização no exterior durante o primeiro semestre do ano de 2017.

Como resultado, o levantamento descobriu que o Canadá se destaca como o país mais buscado pelos brasileiros, sendo seguido pela Austrália e Irlanda. O estudo abrangeu uma amostra de mais de quatro mil estudantes.

Segundo o fundador da World Study, Marcelo Cansini, o Canadá é o primeiro colocado na preferência dos brasileiros de diferentes faixas etárias porque além de proporcionar níveis elevados de qualidade de vida, o país também possui uma moeda menos valorizada que o dólar, o que torna os preços mais acessíveis. Para completar, a modernidade do ensino do país e o alto padrão de qualidade das instituições são outros fatores que atraem os brasileiros.

De acordo com a pesquisa, o Canadá faz sucesso principalmente entre a faixa etária dos jovens adultos, pois entre o total de intercambistas que escolhem o país, cerca de 66% possuem idade entre 23 e 35 anos.

Marcelo Cansini ressalta que esses jovens brasileiros são atraídos tanto pela oferta de ótimos cursos de especialização e pós-graduação, como também pela possibilidade de  adquirirem vistos de permanência e se integrarem de vez ao mercado de trabalho do Canadá.

Devido a atual crise econômica, os valores dos cursos no exterior somados aos gastos com a passagem aérea e hospedagem ganharam uma importância ainda maior na escolha do intercâmbio para os estudantes brasileiros. Contudo, segundo o presidente da World Study, esse não é o fator mais importante, pois os estudantes ainda priorizam outras questões, como a qualidade, sendo essa a razão pela qual o Canadá se destaca tanto.

Além do Canadá, Austrália e Irlanda nas três primeiras colocações entre os países escolhidos pelos brasileiros, a lista segue com os seguintes países: Estados Unidos, Inglaterra e Nova Zelândia. Isso ressalta ainda mais a clara preferência dos estudantes do Brasil em irem estudar em países de língua inglesa, levando em consideração que os seis primeiros colocados se enquadram nesse quesito.

 

Luiz Carlos Trabuco Cappi fala sobre o novo presidente do Bradesco

Resultado de imagem para Luiz Carlos Trabuco Cappi
Luiz Carlos Trabuco Cappi

Em entrevista realizada para divulgar como serão implantadas as mudanças no conselho administrativo do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi destacou que o próximo presidente da instituição será um dos membros da diretoria executiva do banco. Isso vai de acordo com a tradição da empresa, que sempre escolhe um representante do seu quadro de diretores para assumir essa função de comando. Sendo assim, a expectativa é de que um dos atuais vice-presidentes se torne o próximo presidente.

No último dia 10 de outubro, a instituição bancária já havia divulgado publicamente que Lázaro Brandão renunciou ao cargo de presidente do conselho administrativo da empresa, sendo substituído por Luiz Carlos Trabuco Cappi, que anteriormente ocupava a vice-presidência do conselho.

Acerca da escolha do próximo presidente, Luiz Carlos Trabuco Cappi ressaltou que o Bradesco é uma organização grande e complexa, e que esses fatores serão considerados na seleção do profissional mais indicado para assumir o comando da instituição. Enquanto isso não ocorrer, o executivo irá acumular as duas funções, de presidente da empresa e também presidente do conselho de administração.

Segundo as previsões, o novo presidente será anunciado no mês de março, que é quando irá acontecer a reunião do conselho depois da assembleia dos acionistas. Cerca de trinta duas antes dessa reunião, a empresa precisará enviar o nome do novo presidente ao Banco Central.

Lázaro Brandão renunciou ao cargo, o qual ocupava há vinte e sete anos, com o intuito de prorrogar o mandato de Luiz Carlos Trabuco Cappi, que em condições normais, seguindo as regras da instituição, teria que deixar a presidência logo após completar 65 anos.

De acordo com ele, ao prorrogar o mandato do executivo, a decisão sobre o novo presidente poderá ser feita com mais tranquilidade. Além disso, ele destacou que o executivo reúne todas as competências necessárias para acumular as duas funções e realizar um bom trabalho. Ainda na reunião do mês de março, a expectativa é de que o projeto de aumentar o número de cadeiras no conselho administrativo tenha continuidade.

Em relação ao próximo presidente da instituição, ele também declarou acreditar que este enfrentará alguns desafios no cargo, em especial no que diz respeito as tecnologias digitais e aos correntistas do banco que se mantém resolutos em adotarem essas tecnologias. Atualmente, dos 27 milhões de correntista, cerca de 14 milhões utilizam as transações digitais, enquanto o restante ainda não demonstra interesse nessa plataforma.

Ainda na entrevista concedida por Luiz Carlos Trabuco Cappi, o executivo disse acreditar que a chave para a retomada da economia do país está no consumo das famílias. Segundo ele, é isso que o faz permanecer otimista a curto prazo, além do fato da economia brasileira ter demonstrado uma certa independência do processo político, como é possível perceber com o crescente aumento no volume dos investimentos estrangeiros, os quais tem quebrado recordes nos últimos meses. O executivo preferiu não comentar sobre o crédito e as projeções do banco para o futuro, mas afirmou que o avanço da economia certamente ajudará na expansão do mesmo.

 

O crescimento do comércio online e a crise das lojas físicas

O mercado consumidor da internet tem crescido a cada ano como mostra o site EBC – Agência Brasil, pois em 2017 43% dos internautas realizaram mais compras do que costumaram fazer em 2016. Desse modo, o comércio online, chamado de e-commerce, tem crescido num fluxo contínuo em contrapartida às lojas físicas, que muitas têm fechado devido a forte crise que o Brasil tem passado em 2017. Em específico o Rio de Janeiro, que viu uma das lojas mais tradicionais de comércio de papelaria e material escolar, Casa Cruz, fechar as portas e encerrar suas atividades após um período de 124 anos da primeira loja aberta, em 1893.

Uma grande vantagem que o e-commerce apresenta sob as lojas físicas é a grande facilidade de poder garimpar e pesquisar por preços o mais barato possível de uma forma rápida, e junto a isso há muitos sites que disponibilizam o uso de cupom de descontos e também a chance de receber parte do valor da compra de volta, mecanismo chamado de Cashback.

De acordo com o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que em torno de 89% dos internautas realizaram pelo menos uma única compra na internet nos últimos dozes meses (período de junho de 2016 a junho de 2017), sendo que tal pesquisa independe da classe social. Os homens de 35 a 49 anos tomam a frente quando o assunto é compra online, já que eles representam 95% dos internautas consumidores ativos, das classes A e B.

Além dos preços da internet ser mais baratos que os das lojas físicas, muitos consumidores dão crédito ao fato do comércio online ser muito mais prático, confortável e menos estressante que se dirigir a uma loja física e enfrentar filas e trânsito. Em contrapartida, muitos clientes reclamam da necessidade de pagar frete por suas compras, que às vezes pode custar mais caro que o próprio produto. E outro fator negativo é a possibilidade de estar realizando uma compra em um site falso, pelo fato da oferta ser muito vantajosa. Para não se tornar vítima de golpes na internet, muitos especialistas recomendam verificar a fidedignidade da loja e fazer uma pesquisa se a loja realmente cumpre com seus deveres.

 

 

O ranking dos cinco melhores aeroportos do planeta

Aeroportos estão espalhados por todo mundo, alguns são grandes, outros pequenos, confortáveis e alguns são bem estruturados. Uma lista foi feita com os melhores aeroportos do planeta, segundo um site especializado nesse assunto, que recebe as avaliações e as experiências dos passageiros em aeroportos do mundo todo. São avaliados desde o conforto, a infraestrutura dos terminais, até a amabilidade dos funcionários. De acordo com o ranking do The guide to sleeping in airports, no ano passado os cinco melhores aeroportos foram:

Aeroporto Internacional de Changi, Cingapura – Há alguns anos esse aeroporto é considerado o melhor do mundo, já que ele parece mais um local de lazer do que um aeroporto. Nas suas instalações existem poltronas de massagem, televisores,  cinco jardins,  videogames e um cinema sem nenhum custo. Além disso a sua limpeza é impecável e os terminais são muito organizados. Os funcionários são muito amáveis e os usuários realmente nem se importam se a escala for de muitas horas, já que são muitas diversões nesse aeroporto.

Aeroporto Internacional de Incheon, Coreia do Sul – Em segundo lugar, mas com potencial para ser o melhor, ele é outro exemplo de que um lugar tão chato como um aeroporto, pode se tornar um local divertido. Ele possui um grande centro de lojas, cinemas, jardins e passeios guiados, além de vários locais para descanso e uma excelente ducha gratuita.

Aeroporto Internacional de Haneda, Tóquio, Japão – Também na Ásia, em terceiro lugar ficou o aeroporto de Tóquio. Apesar de não possuir um centro de entretenimento como os outros dois, ele foi escolhido principalmente pela sua extrema limpeza, segurança e ordem.

Aeroporto Internacional de Taoyuan, Taiwan – Em quarto lugar ficou esse aeroporto, onde cada portão é temático, indo desde temas como meio ambiente até aparelhos da Sony. Lojas de chá e produtos da Hello Kitty também são encontrados pelos seus corredores, além de proporcionar aulas de caligrafia, degustação da gastronomia local, salas confortáveis e inclusive apartamentos estão disponíveis para famílias que estejam viajando.

Aeroporto Internacional de Munique-Franz Josef Strauss, Alemanha – O quinto colocado e o primeiro do ranking entre todos os aeroportos europeus, está o aeroporto de Munique. Além de limpo, seguro e confortável, ele proporciona o café gratuito de manhã e uma excelente comida nos seus restaurantes. Para as crianças existe um espaço com jogos e passeios podem ser realizados para a explicação dos fatos da aviação mundial.